Seu Navegador não suporta scripts.
Carregando

Curiosidades

COVID-19: Existe a possibilidade de sermos contaminados mais de uma vez?

COVID-19: Existe a possibilidade de sermos contaminados mais de uma vez?
Foto: Divulgação

A Organização Mundial de Saúde emitiu nota  onde fala da falta de evidências para afirmar se as  pessoas que já se recuperaram da infecção pela COVID-19 estariam  imunes a um novo contágio pelo vírus. Em outras palavras, não existe certeza se as pessoas estariam livres de contrairem a doença novamente. Isso nos leva  à  discussão sobre a imunidade de rebanho. Quando grande parte da população de uma comunidade , de 70 a 80% das pessoas, tiveram contato com o vírus,  desenvolveram anticorpos durante a sua recuperação e cura, criando uma forma  imunização, teóricamente estariam protegidas de um novo ataque pelo vírus.  Esse percentual de imunizados beneficiaria 100 % da população desta comunidade.  Foi o que aconteceu com a Varíola e o Sarampo. Na pandemia pelo COVID-19 alguns países tentaram atingir essa imunidade de rebanho relaxando as medidas de isolamento social e de distanciamento,  como a Itália e a Inglaterra , mas o sistema de saúde deles não suportou o grande número de doentes e tiveram números recordes de mortes além da  demanda exagerada por leitos de UTI. Nos  Estados Unidos, esta tentativa  de imunizar em massa pela exposição proposital ao vírus para alcançar a imunidade de rebanho, ao menos até final de março de 2020,  aconteceu em Nova York.  Já sabemos como as coisa  andam por lá. Nova York é o epicentro da pandemia no mundo. Hoje estão pregando o isolamento social e rigidez na quarentena. Na Suécia, seus dirigentes anunciaram que atigirão a imunidade de rebanho em duas semanas. Inclusive pessoas estão sendo estimuladas a participar de festas, reuniões,  justamente para acelerar o processo de contágio.  Isso prova que cada país tem suas abordagens, cada abordagem tem seus resultados e suas consequencias. Assim sendo, com o colapso do nosso sistema de saúde, especialmente aqui no Amazonas, somado a  insuficiência de dados científicos sobre estarmos imunes  após o primeiro contágio,   a estratégia de imunidade de rebanho para a grande parte do Brasil é proibitiva e irresponsável.  Dependemos de uma vacina ou da pílula de ouro, e  enquanto elas  não forem  descobertas,  precisamos continuar com as terapêuticas  que dão suporte para nossa recuperação e salvam nossas vidas e mais,  devemos  aprender,  aplicar  e  ensinar  as  medidas  de  Biossegurança. Cada município  do  Amazonas  deve  seguir  medidas  gerais  de  conduta  e  medidas particulares,  adequadas  a  cada  realidade  local.  Quando  chegar  a  hora  d e voltarmos  as  nossas  atividades  habitais  que  façamos  com  respeito  ao  próximo, solidariedade  e  disciplina.

A  Paz  esteja  convosco.

Notícias Relacionadas