Seu Navegador não suporta scripts.
Carregando

Polícia

Policía prende bando responsável pela morte de Militar da reserva

Polícia Civil prende bando pelo homicídio de subtenente do EB da reserva, ocorrido neste mês, no bairro São José Operário

Policía prende bando responsável pela morte de Militar da reserva
Foto: Divulgação

Os delegados Paulo Martins e Denis Pinho, titular e adjunto, respectivamente, da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), falaram na manhã desta sexta-feira (31), durante coletiva de imprensa realizada às 9h30, no prédio da unidade policial, sobre o cumprimento de mandados de prisão preventiva por homicídio qualificado em nome de quatro pessoas, responsáveis pela morte do subtenente da Infantaria do Exército Brasileiro (EB) de reserva, Mapoli Lima Farinha. A vítima tinha 50 anos.

De acordo com Paulo Martins, o crime ocorreu na noite do dia 22 deste mês, por volta das 21h, em via pública, na rua João Câmara, bairro São José Operário, zona Leste de Manaus. Foram apresentados durante a coletiva de imprensa o casal Fabiana Lopes Carvalho, 29, e Sebartian Rodas Soto, 26, conhecido como “Colombiano”, além de Genilson Silva de Castro, 29, o “Velhinho”, e Josivaldo Souza dos Santos, 24, chamado de “Saimon”, autores do delito.

“O crime foi planejado por Fabiana e Sebartian, que eram funcionários de Mapoli em um esquema de agiotagem. O casal contratou ‘Velhinho’ e Josivaldo para matar o patrão. Sebartian convidou o subtenente para ir até a casa dele, pois repassaria uma quantia em dinheiro a ele e, quando a vítima chegou ao local, foi rendida pelos comparsas do casal e levada para uma área escura. No lugar, Genilson e Josivaldo alvejaram o homem na cabeça, causando o óbito do aposentado”, explicou Martins.

1979

Prisão – Denis Pinho explicou que Fabiana e Sebartian foram presos pelas equipes da DEHS na casa deles, situada na avenida Nathan Xavier de Albuquerque, bairro Novo Aleixo, zona norte de Manaus. Já Genilson foi preso nas proximidades de uma feira no bairro São José Operário, na zona leste de Manaus. “Saimon” foi preso em Presidente Figueiredo, município distante 107 quilômetros em linha reta da capital. As prisões ocorreram no dia 24 deste mês, dois dias após o crime. As ordens judiciais foram expedidas pelo juiz George Hamilton Lins Barroso, no Plantão Criminal.

“O intuito dos infratores era ficar com a quantia em dinheiro que o subtenente estava portando, pois ‘Velhinho’ tinha uma dívida com o tráfico de drogas e, junto com Sebartian, queria comandar o esquema de agiotagem da vítima. Durante o crime, foi feita uma simulação de latrocínio, pois além do dinheiro que a vítima portava, Genilson e Josivaldo chegaram a levar os aparelhos celulares da vítima, mas assim que iniciamos as diligências, chegamos aos autores do delito”, argumentou Pinho.

Paulo Martins informou que, durante depoimento na especializada, “Velhinho” relatou que na casa dele, situada no bairro São José Operário, estava escondida uma das armas de fogo utilizadas no crime. Os policiais civis da DEHS se deslocaram até o lugar e, durante revista no imóvel, encontraram um revólver calibre 38, com cinco munições do mesmo calibre, sendo três intactas e duas deflagradas.

Indiciamento – Fabiana, Genilson, Josivaldo e Sebartian foram indiciados por homicídio qualificado. O casal Fabiana e Sebartian também irá responder por lavagem de dinheiro e crime contra a economia popular. “Velhinho” ainda será indiciado por porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Ao término dos procedimentos cabíveis na DEHS, os três homens serão encaminhados ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM) e Fabiana será conduzida ao Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), onde irão ficar à disposição da Justiça.

Agradecimento – Representando o Comando Militar da Amazônia (CMA), o oficial de operações do 7° Batalhão de Polícia do Exército (BPE), capitão Caio Dantas, agradeceu, durante a coletiva de imprensa, o trabalho desempenhado pela equipe da DEHS.

“Gostaria de agradecer, em nome do CMA, aos delegados Paulo Martins e Denis Pinho pelo trabalho desempenhado. Eles se dedicaram e foram céleres em elucidar o caso e prender os infratores”, argumentou.

Notícias Relacionadas