Seu Navegador não suporta scripts.
Carregando

Política

Após denúncias de corrupção, Luiz Castro deve deixar a Seduc-AM

Após denúncias de corrupção, Luiz Castro deve deixar a Seduc-AM
Foto: Divulgação

O ex-deputado Luiz Castro entregou seu cargo na Secretaria Estadual de Educação do Amazonas (Seduc-AM). A entrega do cargo ocorreu por volta das 21h desta terça-feira (27).

À tarde já havia ocorrido alvoroço na sede da Seduc, no bairro do Japiim na zona Sul de Manaus, com rumores de uma susposta demissão do secretário. O ex-parlamentar teria enviado uma mensagem ao governador Wilson Lima pedindo exoneração.

O motivo de sua saída foi a pressão sobre a Seduc, motivada por dispensas de licitações milionárias. A gota d’água teria sido a denúncia de corrupção feita por um dos beneficiados, o empresário Francisco Dantas da Silva.

O principal candidato ao cargo é o secretário executivo da Seduc, Luiz Fabian Pereira Barbosa. Ele vai responder como titular, a princípio, interinamente.

O Governo do Estado deve fazer um pronunciamento oficial sobre a troca nesta quarta (28). Não houve confirmação oficial nem da Seduc, nem da sede governamental, esta noite.

Denúncia

O empresário dono da empresa Dantas Transportes, Francisco Luiz Dantas da Silva, que ganhou um contrato com dispensa de licitação no valor de R$ 46,6 milhões com a Secretaria de Estado da Educação do Amazonas (Seduc-AM), decidiu denunciar um esquema de propina que envolve políticos e membros da secretaria, que pediam uma espécie de mensalinho em troca de contratos milionários.

Francisco Dantas revelou todo o esquema de corrupção que envolve pagamento de mensalinhos de até R$ 20 mil a políticos e lobistas, além de pagamento de serviços não realizados, contratação de funcionários fantasmas, utilização de veículos não apropriados e até motoristas não habilitados - alguns menores de idade - no transporte escolar, entre outras irregularidades.

A delação foi feita ao Ministério Público de Contas (MPC) e está tudo gravado pelo empresário, sendo deixado nas mãos do procurador Carlos Alberto Souza de Almeida, que teria focado estarrecido com o nível de corrupção.

Notícias Relacionadas