Seu Navegador não suporta scripts.
Carregando

Política

Enquanto Wilson Lima brinca de governar, população sofre

Faltam remédios nos hospitais, profissionais de Saúde com salários atrasados ameaçando parar a qualquer momento, professores em greve e alunos sem aula

Enquanto Wilson Lima brinca de governar, população sofre
Foto: Divulgação

Há 5 meses como governador, Wilson Lima virou as costas para população e mostrou que não entende nada de gestão pública. Faltam remédios nos hospitais, profissionais de Saúde com salários atrasados ameaçando parar a qualquer momento, professores em greve e alunos sem aula nas escolas. Enquanto isso o governo dispensa milhões em licitações para beneficiar um grupo seleto de empresários que o ajudaram a chegar no poder.

Profissionais da saúde ameaçam parar

O Instituto de Cirurgia do Estado do Amazonas (ICEA), que presta serviços de saúde ao Governo do Estado, anunciou, na tarde dessa segunda-feira (13), que vai suspender os serviços médicos prestados pela entidade.

De acordo com o ICEA, a suspensão dos serviços, como Cirurgias Eletivas, ocorre a partir das 19h, no Hospital e Pronto-Socorro (HPS) 28 de Agosto e todos os SPAs à partir das 19h.

Conforme a entidade, o motivo é novamente o atraso no pagamento das obrigações financeiras por parte do governo, sem nenhuma justificativa da Secretaria de Saúde (Susam).

1891

Os médicos argumentam que os recursos do FTI, liberados para a saúde, destinados a pagamentos de despesas do ano anterior e complementação do ano corrente, não foram concluídos nem na sua propositura nem no cronograma estipulado pela própria Susam.

Técnicos em enfermagem também denunciaram que estão há mais de 3 meses sem receber e reclamam e que as medicações controladas estão em falta nas policlínicas.

O deputado estadual Wilker Barreto revoltado com a situação disse que que está se perdendo vidas para a falta de remédios. “Infelizmente, a caneta do governo está matando mais que a bandidagem. Pena que não temos como estimar as mortes. O governo é burocrático demais para salvar vidas. E os gritos do interior infelizmente não chegam na capital”, finalizou o parlamentar.

Crise na educação

Há um mês, os professores da rede estadual de ensino do Amazonas iniciaram uma paralisação por reajuste salarial. A greve, que chega ao 30º dia nesta quarta-feira (15), teve diversas manifestações. Os profissionais pedem reajuste de 15%, enquanto o governo depois de muito postergar oferece apenas 4,7%. Alunos continuam prejudicados pela falta de aula nas escolas estaduais, para alguns pais de alunos, o Governador não tem pulso para solucionar o problema.

Dispensas de licitações milionárias

As constantes dispensas de licitações, a falta de apresentação dos contratos dos 1.300 monitores do transporte escolar do interior - que aumentou em 18 milhões os gastos - e as suspeitas de sobrepreço na merenda, levaram o deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) a anunciar um pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), na manhã da última terça-feira, dia 07, na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

De acordo com o parlamentar de oposição, mais de R$ 100 milhões já foram gastos com dispensa de licitação na Seduc. Diante disso, os trabalhos para que a CPI se torne realidade iniciam nesta quarta-feira, 08, com a propositura e a coleta de oito assinaturas, um terço dos deputados da Casa.

Barreto ainda lembrou sobre o superfaturamento de 50% do fornecimento de alimentação para as Escolas de Tempo Integral (Ceti), Neste ano, o Estado fechou contrato emergencial de um lanche por R$ 4 e almoço por R$11. Os preços praticados por licitação há menos de 60 dias foi de R$ 2,60 e o R$ 8,05, respectivamente.  “A dispensa aumentou em quase 12 milhões de reais o valor dos gastos. Por isso, o TCE (Tribunal de Contas) e o TJ (Tribunal de Justiça) mandaram cancelar as dispensas conforme eu já havia denunciado da tribuna deste parlamento”, disse.

Com informações Fiscaliza Manaus

Notícias Relacionadas