Seu Navegador não suporta scripts.
Carregando

Política

Praças da Polícia Militar ameaçam greve para pressionar governo

Praças da Polícia Militar ameaçam greve para pressionar governo
Foto: Divulgação

A Polícia Militar do Amazonas ameaça entrar em uma greve geral no Estado que pode contaminar outros setores do Movimento Unificado dos Servidores Públicos, para tentam fazer com que o Governo Wilson Lima volte atrás e revogue a Lei 09/2019, que congela aumento de salários no Estado por dois anos.

Os policiais militares, cabos e sargentos, reivindicam a revogação dos congelamentos das promoções da data-base, e dos salário, em 25% há mais de 4 anos.

A Associação dos Cabos e Soldados da Polícia e Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (ACS), confirmou a falta de policiais militares em algumas Cicom's.

A Associação dos Praças do Estado do Amazonas (Apeam), confirma que a falta de negociação por parte do governo do estado, pode levar a 80% dos bairros de Manaus ficarem sem segurança pública até quinta-feira (8). Das 30 Companhias Interativas Comunitárias (Cicom) da capital, cerca 22 foram paradas – as outras oito parcialmente de acordo com informação foi confirmada pela Apeam.

A 30ª Cicom, que fica na zona Leste de Manaus, está com a integralidade de sua frota na garagem. E em alguns quartéis, servidores chegaram a ser impedidos de deixar o segundo turno desde esta terça-feira (6), com risco de desguarnecimento total de seus postos.

No último dia 5, a Federação Interestadual dos Trabalhadores Policiais Civis da Região Norte – FEPOLNORTE, veio a público com nota de repúdio à Lei Complementar n° 198/2019, que congela salários e planos de carreira da categoria. Segundo a Federação, a Lei fere preceitos constitucionais que garantem ao trabalhador do serviço público a justa compensação salarial e o direito de evoluir em sua carreira, bem como as garantias da recompensa dessa evolução.

A polícia Civil descartou, por meio do Sindicato dos Funcionários da Policia Civil do Estado do Amazonas (Sinpol-AM), falta coletiva dos servidores nas delegacias e nos Distritos Integrados de Polícia (DIP).

Porém, a categoria informou que os servidores vão participar da paralisação em frente ao governo.

O Comando Geral de Polícia Militar do Amazonas descartou qualquer tipo de paralisação ou falta coletiva por parte da corporação.

Notícias Relacionadas